Notícias

PROGRAMA MELHOR EM CASA DO MUNICÍPIO DE ARACATI LEVA ATENDIMENTO A CASA DOS NECESSITADOS

#DIREITOSHUMANO | POR PORTELA | 19 DE SETEMBRO DE 2018 | 1.686
O Programa Melhor em Casa (PMC) é um programa do Governo Federal executado em parceria com Estados e Municípios. Ele oferece atendimento domiciliar aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), promovendo uma rápida recuperação pelo fato de serem cuidados em casa junto dos familiares, amigos e longe de todo estresse que é a internação hospitalar, além da redução dos riscos de contaminação e infecção próprios desse ambiente.

No dia 01 de Julho de 2017, a Prefeitura Municipal do Aracati por meio da Secretaria Municipal da Saúde, implantou, em nossa cidade, o Serviço de Atenção Domiciliar "Programa Melhor em Casa". No Ceará existem cerca de 25 cidades que aderiram ao programa. É um serviço complementar aos cuidados realizados na Atenção Primária e em serviços de Urgências, substitutivo ou complementar à internação hospitalar. O serviço é composto por uma Equipe Multidisciplinar de Atenção Domiciliar (EMAD), e uma Equipe Multidisciplinar de Apoio (EMAP).

O SAD tem como objetivos:
I - redução da demanda por atendimento hospitalar;
II - redução do período de permanência de usuários internados;
III - humanização da atenção à saúde, com a ampliação da autonomia dos usuários; e
IV - a desinstitucionalização e a otimização dos recursos financeiros e estruturais da Rede de Atenção à Saúde (RAS).

Composição da Equipe EMAD:
01 Médico
01 Enfermeira
02 Técnicos de Enfermagem
02 Fisioterapeutas

Composição da Equipe EMAP:
01 Fisioterapeuta
01 Nutricionista
01 Assistente Social

O PMC é um serviço indicado para pessoas que apresentam dificuldades temporárias ou definitivas de sair do espaço da casa para chegar até uma unidade de saúde, ou ainda para pessoas que estejam em situações nas quais a atenção domiciliar é a mais indicada para o seu tratamento.

Conforme a necessidade do paciente, esse cuidado em casa pode ser realizado por diferentes equipes. Quando o paciente precisa ser visitado de maneira mais espaçada, por exemplo, uma vez por mês, e já está mais estável, este cuidado pode ser realizado pela equipe de Saúde da Família de sua referência. Já nos casos em que o paciente precisa ser visitado semanalmente ou mais, ele poderá ser acompanhado por equipes específicas de Atenção Domiciliar, visando também uma redução da demanda por atendimento hospitalar ou à redução do período de permanência dos pacientes internados, além de uma preocupação com uma humanização da atenção. O PMC está reabilitando os pacientes em domicilio, garantindo a continuidade do tratamento integrado à RAS.

A efetividade da implantação do programa melhor em casa são observadas diariamente, de acordo com a continuidade da assistência onde podem ser observadas nas visitas frequentes, durante os pequenos prazos na cicatrização de lesão por pressão (LPP), na realização de uma assistência diária e humanizada de curativos de grande porte, sendo realizados diariamente pela equipe de enfermagem. Os cuidados prestados ao paciente em seu domicílio estão evoluindo e sendo reabilitados cada vez mais rápido para trazê-los para o meio social por meio da equipe de fisioterapeutas.

Durante a realização das visitas, a equipe observa os pacientes mais necessitados e a assistente social elabora uma avaliação social de cada família. Nas visitas realizadas pela nutricionista é avaliado o estado nutricional do paciente, realizado prescrição de dietas e suplementos nutricionais através de processos individuais para cada paciente. A avaliação é constante pela EMAD e EMAP que realizam o Programa Melhor em Casa.


A coordenação do PMC mantém reuniões frequentes com os profissionais para estar a par dos atendimentos realizados e para a melhoria da qualidade da assistência através da discussão das patologias diagnosticadas.

Com a implantação do Programa Melhor em Casa no Município de Aracati o paciente recebe um tratamento similar ao do hospital, com toda estrutura necessária para sua estabilidade no ambiente doméstico, como: sonda, catéter, soroterapia, oxigenoterapia, dentre outros. É traçada uma rotina para o cuidado ao paciente envolvendo todas as suas necessidades básicas e avançadas.

Atualmente temos 54 pacientes sendo atendidos, desses, quase 55% têm 60 anos ou mais; mais da metade (40%) têm 80 anos ou mais. Trata-se de pacientes portadores de doenças crônicas com dificuldade de locomoção até os serviços de saúde; usuários de sondas; traqueostomias ou dependentes de ventilação mecânica ou oxigenioterapia; pacientes em processo de reabilitação motora ou respiratória; pacientes que precisam de curativos complexos, em pré ou pós-operatório; recém-nascidos com baixo peso, entre outros.







 

Deixe seu comentário

Qual o seu nível de satisfação com essa informação?


Muito insatisfeito

Um pouco insatisfeito

Neutro

Um pouco satisfeito

Muito satisfeito